Para adicionar aos favoritos faça Ctrl + d

Siglas e Designações

Crédito à Habitação

O crédito à habitação é um empréstimo cujo fim é financiar a aquisição de habitação. Esta pode ser para habitação própria, habitação secundária ou arrendamento. Este empréstimo pode ser utilizado para comprar casa ou mesmo para a construção de um imóvel de raiz.


remanescente
Empréstimo a 25 anos com valor resmanescente

Deferimento de Capital / Valor Remanescente

No crédito à habitação o cliente pode optar por fazer um deferimento de capital, deixando para o final do empréstimo o pagamento de uma parte deste. Isto tem como consequência uma redução das prestação durante a maior parte (parte inicial) do empréstimo mas um aumento muito acentuado destas no período final do crédito.



FIN - Ficha de Informação Normalizada

A Ficha de Informação Normalizada é um documento de formado pré-definido e idêntico para todos os bancos. Este pode ser solicitado quando um banco faz uma simulação de empréstimo à habitação. Este documento permite facilitar a comparação das diferentes opcões entre as várias entidades bancárias. Deste documento constam, entre outros, os seguintes elementos:

  • Identificação das partes envolvidas no contracto (banco e cliente);
  • Condições do empréstimo;
  • Regime de taxa de juro;
  • Taxa de juro anual nominal (TAN);
  • Taxa anual efectiva (TAE);
  • Montante do crédito;
  • Prazo do contrato;
  • Número do contrato;
  • Periodicidade e montante das prestações;
  • Custos iniciais;
  • Seguros requeridos;
  • Condições em caso de reembolso antecipado e respectivas comissões máximas;
  • Planos financeiros do empréstimo com as hipóteses da taxa de juro variável poder vir a subir 1 e 2 pontos percentuais e plano financeiro do empréstimo padrão.

O modelo deste documento pode ser descarregado aqui .


euribor
Evolução da taxa Euribor
a 3 meses em 1999 e 2011.

Euribor

É a taxa de juro média a que os 64 principais bancos da zona euro emprestam dinheiro entre si. A Euribor é a cotada a 3, 6 e 12 meses.


IMI – Imposto Municipal Sobre Imóveis

O Imposto Municipal Sobre Imóveis incide sobre o valor patrimonial tributário dos prédios. Para efeitos do IMI, cada fracção autónoma (apartamento, garagem, loja), no regime de propriedade horizontal, é considerada como um prédio. Este valor está registado na matriz predial. O IMI é pago pelo proprietário ao município.


IMT – Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis

Tributa as transmissões onerosas do direito de propriedade sobre os bens imóveis. Em 2004, este imposto veio substituir a antiga sisa (imposto municipal de sisa).

Este imposto é normalmente liquidado antes da escritura e incide sobre o valor do contrato promessa compra e venda ou sobre o valor patrimonial tributário dos imóveis, consoante o mais elevado. O IMT é pago pela pessoa que adquire o bem.


carencia
Empréstimo a 25 anos com periodo de carência

Período de Carência

O período de carência no crédito à habitação é uma opção no qual o proponente está durante um certo período de tempo (meses ou poucos anos), sem pagar a componente do empréstimo correspondente ao capital emprestado, ficando a pagar apenas os juros do mesmo. É comum os bancos oferecerem esta possibilidade a clientes mais jovens, como aliciante a fazê-los comprar casa mais cedo.


Plano de Pagamentos

O plano de pagamentos é um quadro em que se especifica o valor a pagar em cada mês/ano ao longo do período de vida do empréstimo. Em geral este explicita também outros parâmetros como o montante correspondente aos valor juros e à amortização do capital. Este é um dos componente da Ficha de Informação Normalizada.


Serviço de Solicitadora

No serviço de solicitadora, o cliente transfere para o banco, todo o trabalho de documentação relacionado com a aquisição do imóvel. Desta forma o cliente é aliviado de processos burocráticos, com os quais não está habituado a lidar.


Spread

O spread é o lucro que o banco tem quando realiza um crédito à habitação. O spread bancário é a diferença entre a taxa de juro que o banco paga na aquisição do dinheiro e a que cobra ao cliente. Este valor varia em função da característica do empréstimo (empréstimo padrão, com período de carência ou valor remanescente), da relação entre o valor do imóvel e o montante pedido (quanto mais perto de 100% estiver este valor maior é o spread) e das garantias apresentadas pelo proponente (fiador, seguros, taxa de esforço, etc...).


Taxa de Esforço

A taxa de esforço indica o peso do valor da prestação da casa no orçamento pessoal ou do agregado familiar dos proponentes. É obtida através da divisão do valor das prestações pelos rendimentos líquidos mensais do agregado.

Taxa de esforço = Prestações mensais / Rendimento Liquido x 100

Uma taxa de esforço confortável é da ordem dos 30%.


TAE – Taxa Anual Efectiva

A Taxa Anual Efectiva reflecte todas as despesas do crédito, sem contar com impostos e vantagens notariais e de registo. Esta inclui os custos associados ao capital emprestado, juros, comissões e prémios de seguros. É a taxa mais fiável para comparar propostas de empréstimo. A taxa mais baixa representara o crédito mais atractivo.


TAER - Taxa Anual Efectiva Revista

A Taxa Anual Efectiva Revista tem as mesmas características que a Taxa Anual Efectiva, contudo inclui também os encargos associados a eventuais produtos financeiros que o cliente possa subscrever afim de obter condições de empréstimo mais favoráveis (o que normalmente significa um spread mais baixo).


TAN – Taxa anual nominal

É a taxa de juro do empréstimo durante o período de um ano. Esta é a soma da taxa de juro do mercado inter bancário com o lucro aplicado pelo banco.

TAN = Euribor + Spread.


emprestimo_padrao
Empréstimo a 25 anos com Reembolso Padrão

Reembolso Padrão

No reembolso padrão as prestações a pagar são constantes (assumindo uma taxa fixa ou taxa variável, em que a Euribor é sempre constante), sendo que todos os meses é abatido uma parte do capital em dívida e são pagos juros relativos a este.